São Marcos - RS - Prefeitura Municipal

 

TOXOPLASMOSE: RELATÓRIO DE ATUALIZAÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE SURTO

20/02/2015

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO EVENTO SOB INVESTIGAÇÃO

Data de atualização: 19/02/2015

Denominação do evento: Investigação de Surto de Toxoplasmose em São Marcos Brasil, fevereiro de 2015
UF: RS
Município: São Marcos

Data de início da Investigação pelo CEVS/RS: 20/01/2015
Data de início da investigação Episus: 05/02/2015

Equipe condutora da investigação Episus:

Marcelo Yoshito Wada - Episus/SVS
Eduardo Saad - Episus/SVS
Marcia Regina de Andrade - Episus/SVS
Igor Gonçalves Ribeiro - Episus/SVS

SUMÁRIO CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO

Antecedentes:


Em 30 de janeiro de 2015 a Drª Denise M F Sarti, diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde SES/RS solicitou ao Ministério da Saúde a colaboração e apoio de uma Equipe do Episus em virtude da ocorrência da suspeita de Surto de Toxoplasmose no município de São Marcos/RS, para compor a equipe de investigação. Neste mesmo dia a Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar da Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde - UVHA/CGDT/DEVIT/SVS/MS também foi notificada sobre o surto.
No dia 02 de fevereiro após reunião com a equipe de técnicos da UVHA foi realizado contato com a Diretora do CEVS/SES-RS para obter informações atualizadas sobre o surto assim como análise da necessidade do envio da equipe de investigação de campo para apoio às atividades de investigação do surto. Além disso, foi acionado pela UVHA o laboratório de apoio ao diagnóstico para toxoplasmose.
A comunicação oficial do surto ocorreu no dia 03 de fevereiro através do Coordenador do Episus. A equipe de investigação foi composta por Marcia Regina de Andrade (1º Investigador), Igor Gonçalves Ribeiro (2º Investigador), Marcelo Yoshito Wada (Coordenador Episus/SVS/MS), Eduardo Saad (monitor Episus/SVS/MS). Neste dia foi repassada a situação e primeiras informações do surto no município por meio de e-mail e contato por telefone com a UVHA.
No dia 05 de fevereiro de 2015 a equipe do Episus se deslocou até Porto Alegre. Neste mesmo dia realizou-se a reunião de entrada para a investigação do surto, com a presença da equipe do Episus, CIEVS/RS, Vigilâncias Epidemiológica, Sanitária, e Ambiental da Secretaria de Estado e Vigilância Epidemiológica do município de São Marcos, onde repassaram as informações dos casos. No dia 06 ocorreu a continuação da reunião na Secretaria Estadual com o mesmo grupo e incluindo o Lacen. No período da tarde houve o deslocamento da equipe para o município de São Marcos, e uma reunião de entrada com a Secretária Municipal de Saúde para a apresentação da equipe do Episus e da agenda inicial dos trabalhos agregando-os aos já iniciados pela equipe estadual e municipal com o acompanhamento permanente da equipe da UVHA e Coordenador Geral da CGDT.
No dia 11 de fevereiro de 2015, a UVHA entrou em contato com a Faculdade de Engenharia de Alimentos da UNICAMP para articular a realização da análise dos alimentos envolvidos no surto.

Caracterização do município:

O município de São Marcos/RS tem 20.105 habitantes (IBGE/2010), densidade populacional de 78,46 hab./Km2 e cerca de 90% da população residente em área urbana. Sua rede de atendimento à saúde é composta pelo Hospital Filantrópico Beneficente São João Bosco, três Unidades de Estratégia Saúde da Família (50% de cobertura), uma Unidade Central, uma Unidade de Saúde na área periurbana e 03 laboratórios, sendo dois privados e um público.

Caracterização dos casos:

No dia 20 de janeiro de 2015 a Vigilância em Saúde de São Marcos foi notificada pela Sociedade Médica do município sobre um possível surto na cidade.
A notificação ao departamento se deu porque profissionais médicos da Sociedade Médica atenderam nos dias 16, 17, 18 e 19 de janeiro um número expressivo de pacientes com os mesmos sinais e sintomas: cefaleia, cervicalgia, febre, alguns com dor retrorbital, mal estar geral, cansaço. Ainda, plaquetopenia, leucopenia, sem linfocitose, com transaminases alteradas. A hipótese diagnóstica primária foi Dengue e posteriormente Chikungunya, sendo os resultados laboratoriais dos suspeitos, negativos para Dengue, apenas dois aguardando resultado. Foram testadas 18 destas amostras para Toxoplasmose, sendo 16 delas IgM reagente, resultados estes recebidos em 30 de janeiro. Foram selecionadas duas amostras para Febre do Chikungunya, por apresentar edema de articulações além dos sintomas já descritos, que estão no Lacen/RS para serem enviadas para o Instituto Evandro Chagas – IEC no Pará.
Dessa forma, se iniciou os trabalhos voltados para um possível surto de toxoplasmose, conforme tabela abaixo.

Resumo do número de casos: N = 176
Doenças: Toxoplasmose
Nª de suspeitos: 176
Nº de coletas: 176
Nª de confirmados: 88
Nº de descartados: 2
Óbitos: 0
Aguardando resultado: 86*
*Os resultados ainda não foram liberados pelo serviço laboratorial do município e do Lacen, devido a alta demanda e também pelo recesso de carnaval.
Dados atualizados até 18/02/2015

A busca retrospectiva por novos casos está sendo realizada nos prontuários da Unidade Central, Hospital São Marcos, Programa pré-natal, laboratórios do município, para identificar pessoas atendidas nos meses de dezembro de 2014, janeiro até 08 de fevereiro de 2015, com suspeita clínica ou que realizou teste sorológico para toxoplasmose. Os dados correspondem aos atendimentos ocorridos nos mês de janeiro da Unidade Central. Outra fonte utilizada é por meio de demanda espontânea, listagem de exame laboratoriais realizados na rede municipal de saúde. A partir de 19 de fevereiro a descrição da busca retrospectiva será realizada unicamente pela Vigilância Epidemiológica do município. Na busca para determinar a prevalência, a possível fonte de infecção e os fatores de risco associados à toxoplasmose, a equipe do Episus estará realizando um estudo analítico de caso-controle.

Sinais e sintomas mais frequentes entre os casos confirmados:

Dentre os casos confirmados, a febre (89,8%) se apresenta como sintoma mais frequente, seguido pela cefaleia (88,6%), sintomas gastrointestinal (83,0%), mialgia (77,7%) e linfonoadenomegalia (61,8%).
Fonte: Busca ativa de casos Vigilância Epidemiológica – CMS/RS dados até 18/02/15

A curva epidêmica do surto aponta para fonte comum de contaminação, o que norteou as primeiras hipóteses para uma possível transmissão causada por alimento, não excluindo a possibilidade de contaminação por outras fontes ao mesmo tempo ou em um mesmo evento.
Fonte: Busca ativa de casos Vigilância Epidemiológica – CMS/RS

A faixa etária mais acometida se encontra entre 20 a 39 anos, com 22,5% de homens na faixa etária de 20 a 29 anos e de 23,6% em mulheres entre 30 e 39 anos. Vale ressaltar que 77,5% são adultos jovens, com média de 29,6 anos de idade, o que sugere uma fonte de exposição comum aos hábitos dos indivíduos desta faixa etária.
Fonte: Busca ativa de casos Vigilância Epidemiológica – CMS/RS

Vale ressaltar que a busca ativa iniciada pela Vigilância Epidemiológica de São Marcos detectou duas gestantes assintomáticas no primeiro trimestre da gestação que apresentaram IgM reagente na primeira amostra laboratorial. Foram agendadas consulta médica e foi iniciado o tratamento conforme protocolo de pré-natal de alto risco (Ministério da Saúde, 2010).

Exames laboratoriais:

A técnica utilizada consiste de exame de amostras sorológicas para Elisa IgM e IgG para toxoplasmose, sendo responsáveis pela análise os laboratórios públicos vinculados a rede, em especial o LACEN-RS, e laboratórios da rede conveniada e privada do município de São Marcos/RS. Ambos os laboratórios utilizam o método imunoensaio de micropartículas por quimioluminiscência (Kit- ARCHITECT/Abbott).

Diagnóstico:

Toxoplasmose com evidência sorológica de IgM reagente e IgG não reagente ou IgM e IgG Reagentes (coletas acima de 15 dias do inicio dos sintomas).

Baseado na definição de caso, dos 176 indivíduos identificados como suspeitos 88 pessoas apresentaram evidência laboratorial para toxoplasmose: IgM reagente ou IgG reagente. Foram entrevistados e incluídos até o momento 59 pessoas para o estudo epidemiológico de caso-controle.

Estudo de caso controle:

A equipe de campo pretende identificar a fonte a partir de um estudo epidemiológico de caso-controle. Segue abaixo as definições:

Definição de caso:
Indivíduo residente ou visitante do município de São Marcos RS, que no período de 01 de dezembro de 2014 a 08 de fevereiro de 2015, apresentou evidência laboratorial para toxoplasmose: IgM reagente ou IgG reagente.

Definição de controle:
Indivíduo residente ou visitante do município de São Marcos RS, que no período de 01 de dezembro de 2014 a 08 de fevereiro de 2015, apresentou evidência laboratorial não reagente para toxoplasmose: IgM e IgG não reagentes.

A curva epidêmica dos casos entrevistados não difere dos descritos na busca ativa de suspeitos, com um aumento gradativo a partir do dia 10 e elevação significativa nos dias 16 e 17 de janeiro, o que aponta para fonte comum de contaminação, com a hipótese para uma possível transmissão causada por alimento, não excluindo a possibilidade de contaminação ao mesmo tempo ou em um mesmo evento.
Fonte: Entrevistas casos/Episus

Dos casos confirmados 57,6% correspondem ao sexo masculino e 42,4% ao sexo feminino, e a faixa etária predominante encontra-se entre 20 a 39 anos.
Fonte: Entrevistas casos/Episus

Os casos estão dispersos em todos os bairros, e 49,1% estão concentrados no centro da cidade.
Fonte: Entrevistas casos/Episus

Dentre as atividades da equipe do Episus, ressalta-se que foi realizada reunião com a Vigilância Sanitária Municipal para delinear ações preventivas de rotina nos estabelecimentos e a possibilidade de realizar coleta de produtos alimentícios nos próximos dias e outras ações que se fizerem necessárias.


Voltar Voltar
zgraf.net